Notícias

MFC Sportech - Como a tecnologia pode auxiliar a volta dos torcedores aos estádios com segurança

18/08/2020 10:19

Salve, torcedor tricolor!

Com a volta do Brasileirão, muitas dúvidas surgem em relação aos protocolos de segurança e como os times, ligas e, principalmente, jogadores vão realizar a temporada em meio à pandemia. Embalado nesse tema importantíssimo e muito polêmico, o MFC Sportech traz para você hoje algumas das tecnologias que podem auxiliar a volta dos torcedores aos estádios com segurança, quando for possível retornar.

Em tempos “normais” essa área de operações de estádio já é fundamental para que o espetáculo aconteça. Com as condições atuais, o desafio é muito maior, e a importância de realizar um trabalho bem feito é crucial para a saúde não apenas de torcedores, mas também atletas, funcionários e todos os envolvidos nos jogos. Para superar esse desafio, a tecnologia é uma grande aliada. Abaixo, separamos quatro grandes temas que devem liderar as discussões.

 

  1. Conexão

Semana passada, falamos por aqui no MFC Sportech sobre a importância de um estádio oferecer acesso à Internet estável e confiável (confira o texto aqui). Inclusive, nas nossas redes sociais, esse tema foi considerado por você, torcedor, como a tecnologia mais importante na sua experiência no estádio.

Se a conexão à Internet já é fundamental para o torcedor, imagine para aqueles que estão nos bastidores, fazendo toda a operação de jogo funcionar! Tecnologias como Wi-Fi e o 5G serão fundamentais para permitir que outras tecnologias funcionem, como as que mostraremos abaixo. Ou seja, essa primeira categoria, de conexão, é uma camada essencial, de infraestrutura.

Inclusive, já com a volta de alguns campeonatos durante a pandemia, esse item tem se mostrado fundamental para a comunicação e organização antes dos jogos, ou possibilitando algumas funções de serem administradas por funcionários que não podem ir ao estádio. Já para os torcedores que não se sentirem confortáveis indo ao estádio num primeiro momento, a conexão com o clube sem sair de casa é um jeito de aproximar o torcedor ao time. A conexão pode ser considerada como a base para as categorias que vem a seguir.

 

  1. “Touchless”

Esse termo vem do inglês e, em tradução literal, significa “livre do toque”. Possivelmente, você vai ouvir muito esse termo e outros similares, como “contactless” ou “touch-free”. Eles devem ser as palavrinhas da moda, e não apenas no mundo dos esportes. Aplicações e operações que não dependam de contato ou de toque devem ser a norma.

Mas como isso se aplica a um estádio? Há muitos casos em que será necessário adotar essas tecnologias, começando pela entrada dos torcedores. A maior parte dos ingressos deve ser virtual, e verificada por sistemas que não dependam do toque, como catracas ou scanners específicos. Além disso, a segurança deve ser ampliada, com a adoção de tecnologias como medidores de temperatura.

Já dentro do estádio, a compra de comidas e bebidas por aplicativos de times, por exemplo, que tenham métodos eletrônicos de pagamento, podem ser priorizados. Mesmo antes da pandemia, algumas arenas e estádios já não aceitavam mais dinheiro vivo, e essa tendência deve acelerar.

 

  1. Limpeza

Essa categoria provavelmente será uma das mais priorizadas pelos que participam da operação do estádio e os torcedores. Inclusive, deve representar a maior mudança visível entre o “pré” e o “pós-pandemia”, já que profissionais especificamente encarregados da limpeza do estádio devem aumentar muito em número e frequência. Já antes da pandemia, essa função era essencial para manter o estádio organizado e limpo, focando numa experiência positiva do torcedor.

Além disso, futuramente os protocolos devem priorizar a saúde e a segurança dos torcedores e funcionários dentro do estádio, e tecnologias de limpeza podem ser fundamentais para possibilitar a volta da torcida. Áreas de alto trafego, como portões de entrada, banheiros e quiosques de comidas, bebidas ou artigos do clube provavelmente passarão frequentemente por processos de limpeza e desinfecção, muitos deles baseados em novas tecnologias adaptadas para o combate ao vírus em locais de alta circulação.

Ter a certeza de que os agentes envolvidos estão realizando as ações necessárias para minimizar os riscos e manter o estádio seguro pode ser um dos principais fatores para muitos torcedores decidirem voltar ao estádio. A confiança do torcedor é inegociável, portanto é fundamental ter uma operação de limpeza que seja completa e de acordo com os principais protocolos de saúde e segurança.

 

  1. Navegação pelo Estádio

O jeito como os torcedores circulam ao redor e dentro do estádio também deve sofrer mudanças, seja por medidas de isolamento social, por redução nos números de torcedores que podem ser autorizados dentro dos estádios ou por alterações causadas no tráfego para quiosques de comidas e bebidas ou banheiros, por exemplo.

Tecnologias como Bluetooth ou RFID podem ser essenciais para entender quais áreas do estádio têm maior frequência de torcedores, além de possibilitar o uso de celulares para realizar pagamentos ou liberar a entrada ao estádio, por exemplo. Algumas arenas nos Estados Unidos também consideram o uso de reconhecimento facial para essas aplicações. A inteligência artificial também pode ser um aliado importante para entender quais setores do estádio devem ter mais ou menos assentos liberados, caso o número de torcedores seja restrito.

 

Para os clubes e as ligas, é fundamental ter protocolos de segurança completos, bem claros e estruturados. O planejamento é crucial para prever cenários e realizar mudanças nos protocolos. Ainda assim, muitos fatores que não dependem apenas dos clubes devem mudar para que seja seguro ao torcedor voltar ao estádio, e que sua experiência seja saudável e positiva.

 

E você, torcedor Maringaense? O que você acha mais importante para a volta da torcida ao estádio? Quais outros temas você quer ver aqui no MFC Sportech? Conta pra gente nas redes sociais do clube ou com a #MFCSportech.

Até a próxima!

 

Por Rafael Holtz

Voltar